Manifesto

Muito se ouve, fala e percebe em relação às evoluções dos conceitos e das reais existências das Cidades Criativas em vários cantos do mundo.

De toda sorte, muitos autores nos fornecem reflexões, conhecimento e estudos de caso a respeito destas cidades, que tem conquistado grande espaço no debate de desenvolvimento econômico e social das regiões que habitam.

A própria forma de aprendizagem e desenvolvimento das Cidades Criativas já é um belo modelo de evolução dos tempos, pois, acima de tudo, cidades com estas características tem em seu DNA a capacidade de se reinventar, modernizar e se transformar a partir de suas próprias realidades.

Dentre tantas inspirações, temos o seguinte conceito: “uma cidade criativa demanda a existência de um conjunto de fatores (Martins), tendo por base aspectos como segurança, funcionalidade, sustentabilidade, conexões e vida sociocultural. Tangíveis e intangíveis, hardware/infraestrutura e software/mentalidades, vida e trabalho. Atributos que antes eram considerados antagônicos, são agora crescentemente reconhecidos como complementares e sinérgicos”.

Pluralidade, diversidade, multidisciplinaridade, riqueza cultural, vidas experienciais, vida boêmia, enfim, temos aí uma série de características interessantes de se analisar nas cidades ditas Criativas.

Pois, eis que São Luís do Maranhão possui tantos atributos e tanta diversidade que não conseguimos enxergá-los de uma só vez ou num rápido olhar. São muitos nossos predicados: Ilha do Amor, Ilha Magnética, Jamaica Brasileira, Cidade dos Azulejos e Atenas Brasileira.

Somos Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Somos fruto de uma mistura de colonizações, única capital brasileira fundada por franceses, colonizada por portugueses e invadida por holandeses. Temos uma rica e diversa gastronomia, somos a terra do bumba-meu-boi, do tambor de crioula, do reggae, do folclore, das nossas mais diversas culturas, religiões e cenas artísticas. Somos poesia, terra de encantaria, história, casarões, azulejos, eiras, beiras, telhados e janelões.

Temos o maior aglomerado urbano de azulejos portugueses dos séculos XVIII e XIX em toda a América Latina. Temos o Porto do Itaqui, o porto público mais profundo do Brasil. Temos localização geográfica privilegiada, entre o Norte e o Nordeste do país, e nosso litoral mais próximo aos grandes centros continentais. Temos em nossa história grandes escritores e poetas, como Aluísio de Azevedo, Gonçalves Dias, Graça Aranha, Maria Firmina dos Reis, Josué Montello e Ferreira Gullar. Temos artistas reconhecidos nacionalmente, como Alcione, Zeca Baleiro, Rita Beneditto, Papete e João do Vale.

Porém, precisamos reconhecer e perceber que, como várias cidades do Brasil e do Mundo, São Luís tem seus desafios enquanto cidade que sempre precisa se reinventar, inovar e se preparar para o Futuro.

A criatividade tem tomado cada dia mais espaço nos debates empresariais, públicos e sociais, como ferramenta fundamental para suportar as rápidas evoluções que o mundo vem nos impondo, principalmente com o advento da quarta Revolução Industrial. Inclusive, a Criatividade é apontada pelo Fórum Econômico Mundial como umas das principais competências que os trabalhadores devem desenvolver no futuro. Enquanto a economia tradicional está baseada na escassez e nos commodities, a economia criativa se baseia na abundância, nos produtos e serviços regados à inovação.

Nossos desafios não são exclusivos do Poder Público ou da Iniciativa Privada. Neste contexto exterior e, sobretudo, banhados por nossas qualidades regionais, nasce o Mobiliza SLZ, o movimento dos empreendedores criativos, das entidades empresariais, dos artistas, dos eventos, das nossas mais diversas riquezas e qualidades econômicas. Será nas misturas que encontraremos nossas forças.

O Mobiliza SLZ veio para conectar todos os potenciais de São Luís. Seu principal desejo é de que possamos demostrar todo o nosso potencial criativo e a nossa capacidade de transformação com base nas misturas que podemos aqui mesmo proporcionar.

Queremos gerar movimento econômico, desenvolvimento social, oportunidades para pequenos, médios e grandes negócios. Queremos mobilizar a cidade em torno dela própria e percebermos que coletivamente poderemos ir muito mais longe. Queremos valorizar a identidade e memória da cidade, retratar beleza e fortalecer o orgulho de ser ludovicense.

Nosso fio condutor é a Economia Criativa, e é nela que encontramos todos os setores conectados e baseados nos valores de Interlocução, Coletividade, Criatividade e Disruptura, que nossa Ilha tem e que precisa reconhecer, mostrar e levar ao mundo.

A Cadeia de Valor da Economia Criativa será o nosso motor estratégico de desenvolvimento e irá movimentar também o nosso Turismo e nossa Cultura, aumentando o fluxo de pessoas nos nossos Restaurantes, mobilizar nossos Artistas, ouvir a nossa Música, aproveitar a nossa Arquitetura, valorizar a nossa Literatura, admirar nossa Arte e se encantar com a nossa Moda, Artesanato e Design.